quarta-feira, março 16, 2005

Esquerda e direita

O Contra a Corrente a escrever sobre "ajuda pública ao desenvolvimento", a tal vulgo "cooperação" (a "ajuda humanitária" é algo diferente, e isto sem formalismos).

A começar bem, é na defesa do contrato social do norte que a esquerda desse norte se desesquerdiza (desacredita) completamente (e também por aí tanto fel anti-esquerdalho que o Ma-schamba destilou) - fazem-no por interesse e por impensamento, misture-se, não é só ideologia é também muita ignorância. (a um tonto que um dia me veio chatear com o meu "direitismo" disse-o "do bairro"; em versão mais letrada chamar-lhe-ia deficit em "mundividência")

Pena é que o excelente Contra a Corrente se fique aqui a meio da corrente, perdoe-se-me o fraco trocadilho. Porque as políticas proteccionistas a norte e a reprodução de um modelo de "cooperação" que privilegiou os interesses político-económicos dos países doadores (por vezes chamados geo-estratégias, outras vezes sufixados de "fonias" variadas), sendo mecanismos de reprodução da pobreza e de perversões políticas a sul, têm sido sistematicamente defendidos pelos diversos poderes políticos no seio dos países mais desenvolvidos.

Em suma, não vale a pena pegar nestes casos para atirar pedras aos "louçãs e carvalhas". Conviria falar mesmo. Ou seja atirar pedras aos "louçãs e carvalhas" do centro e direita, que também eles têm violado os valores e princípios ideológicos que apregoam - a defesa do comércio livre (em alguns), o respeito pelos indivíduos/comunidades/vida humana ou direitos humanos (as terminologias e enfoques variam consoante tempo e espaços ideológicos). Também esses "carvalhas e louçãs" se "desdireitizam" ou se "descentralizam" (desacreditam) com décadas de política internacional de ajuda ao desenvolvimento subordinada a objectivos e metodologias absolutamente contrários aos seus princípios apregoados.

Com uma pequena diferença, caro MacGuffin, é que o poder não tem (felizmente) estado nos tais "carvalhas e louçãs" que lhe ofendem as meninges. Mas mais nos outros. Os quais, francamente, também me infectam o intelecto quando me ponho a pensar nestas coisas.

Serve esta arenga para resmungar, de nada vale esse brinquedo "olhá esquerda que hipócrita", "olhá a direita que facista". Esse é um contrato social, o resto é folclore. Desacreditador.

Quanto à iniciativa de Blair, que é o que realmente interessa, ela poderá dar frutos. Vamos a ver. Alguns sinais são positivos. Acima de tudo o, fundamental, conluio entre UE e EUA numa política de desenvolvimento internacional. Questão a acompanhar. Porque algo tem que mudar.

Muito para além das birrazinhas in e out-blog. Da pequenez lusa, perdão, da pequenez portuguesa. Que eu sou neto de Roma, não um de um qualquer porqueiro lusitano. E os meus patrícios também.