sexta-feira, março 18, 2005

Lusofonia (agora feitiço alheio)

De Bruxelas dizem-me que só sentem em casa no espaço da lusofonia, e isso sem sentimentos imperialistas.

Pois acredito que assim sinta. Nem mais. E que considere natural que as pessoas que falam a mesma língua se sintam na mesma casa (como família, vizinhos, amigos - comunidade; comunhão).

Pois, mas eu acho que nada é natural.

E, independentemente do que se sente em Bruxelas ou alhures, não compro leituras que se querem apolíticas (leia-se naturalizadoras) da história e do presente.

Não compro cânticos lineares. Não ouço mais paternalismos. Nem coitadismos.

E quando ouço um tonto chamar a outro "lusófono", assim imputando-lhe cultura/disposições/"Ser"/solidariedades/"etcs." e este lhe reage, sem animosidade ou com ela, que não é "lusófono" mas sim "bantófono" (p.ex.) eu concordo, sorrio e concordo. E acho o tal "lusófono" ignorante e imbecil.

E, atenção ao que é mais importante, acho-o incompetente no que toca aos interesses do seu país. E incompetente no que respeita aos interesses dos seus "homófonos". E incompetente no que toca à defesa da sua "fonia". Em suma, digno do caixote do lixo intelectual. E, em muitos casos, da cloaca moral.

Cinzento de Bruxelas, eu sinto-me em casa em português. Não em lusofonês. Percebe-se a gigantesca diferença?

E, se calhar, em português me sinto em casa, mas com tendências e desejos imperialistas. Porque o meu luto não é revolucionário, terceiro-mundista. É (apenas) crispado com a tontice irreflectida, embrulhada no afã pululante.

Cumprimentos Pituxa, e desejos de bom clima.

4 Comments:

Blogger Pitucha said...

Se é uma questão de palavras, seja! Se calhar falamos do mesmo mas com nomes diferentes. E a propósito de nomes, o meu é Pitucha, com CH.
Obrigada pelo comentário e blogue sempre que eu gosto, mesmo quando discordo.
Cumprimentos à Beira se por lá passar!

3:29 da tarde  
Blogger jpt said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

6:58 da tarde  
Blogger jpt said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

6:59 da tarde  
Blogger jpt said...

Perdão, não é uma questão de palavras. é uma questão de conceitos, do que neles se encerra. É uma questão de atitudes, de guias de acção. E, também, uma questão política. E, fundamentalmente, de saber(es).
[perdão pelo erro ortográfico]. Cumprimentos

7:03 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home